Conhecer a Osteopatia

João Cardoso

Hoje vamos falar um pouco de uma área  pela qual me apaixonei desde 2011. Uma área que aumentou os meus conhecimentos e me forneceu mais ferramentas para poder ajudar as pessoas. Foi nesse ano que iniciei o meu percurso na Osteopatia, na Escola de Osteopatia de Madrid (EOM). 

Muita gente pensa que a Osteopatia é uma terapia recente, mas ela nasceu na última década de 1800 pelo seu fundador, o médico Dr. Andrew Taylor-Still (1828-1917). Trata-se de uma abordagem terapêutica que tem por base as disciplinas de anatomia, fisiologia, biomecânica e semiologia médica. Ela é estruturada nos seus 4 princípios fundamentais:

  1. A estrutura governa a função – Uma enfermidade não se pode desenvolver se as estruturas estão em harmonia, logo uma desordem na estrutura produz a origem das patologias;
  2. A unidade do corpo – O corpo tem a capacidade de encontrar o equilíbrio, onde o Dr. Still situa esta unidade no sistema miofascioesquelético, que guarda na sua “memória” os traumas sofridos;
  3. A autocura – O corpo é capaz de se curar, tendo os meios para combater as enfermidades;
  4. A lei da artéria – O sangue é o transporte de todos os elementos que permitem assegurar uma imunidade natural, lutando contra as enfermidades…

A Osteopatia funciona respeitando e facilitando a autorregulação do organismo, através de um exame diagnóstico completo e execução de técnicas manuais específicas. Essas técnicas estão divididas em 3 áreas fundamentais:

  1. Técnicas Estruturais;
  2. Técnicas Viscerais;
  3. Técnicas Cranianas;

As primeiras são as mais conhecidas e que todas as pessoas se lembram quando pensam num osteopata (as manipulações vertebrais). Infelizmente muitas vezes designadas como “estalos na coluna”, como já fui apelidado por colegas de profissão. Cada vez, “manipulo” menos, mas estas técnicas são de enorme importância para melhorar a facilitação medular (alteração de um “circuito” nervoso em superestimulação devido a vários fatores) que está em disfunção. Depois temos as técnicas muito sensitivas mas com enorme poder, que são as técnicas viscerais e cranianas. 

Todos estes conceitos, melhoraram todo o meu raciocínio clínico e dotaram-me de mais ferramentas, que juntamente com outras (fisioterapia, kinesiologia aplicada/holística, exercício, leitura biológica, florais de Bach, etc…), permitem uma abordagem mais holística ao paciente.

Se quiseres conhecer os benefícios desta técnica, já sabes onde me encontrar e deixo aqui mais alguma informação sobre esta terapia magnífica…

Vídeos: Qué es la osteopatía? – https://www.youtube.com/watch?v=__9mxXXiDjs

Aclaraciones sobre la Osteopatía craneal y visceral: https://www.youtube.com/watch?v=DiKSmlRqawA

Um abraço do amigo fisioterapeuta/osteopata.